O verão e o Câncer de Pele

O que é o câncer de pele?
É uma doença provocada pelo crescimento anormal das células que compõem a pele. Estas células se dispõem formando camadas e, de acordo com a camada afetada, definimos os diferentes tipos de câncer. A radiação UV é a principal responsável pelo desenvolvimento de tumores de pele, e a maioria dos casos está associada à exposição excessiva ao sol ou ao uso de câmaras de bronzeamento.

Quais são os dados, hoje, no Brasil?
O INCA registra, a cada ano, 135 mil novos casos e o câncer da pele responde por 25% de todos os diagnósticos de câncer. O tipo mais comum, o não melanoma, tem letalidade baixa, mas os números alarmam os especialistas.

Quais são os sintomas e os sinais da doença?
O câncer da pele pode se assemelhar a pintas ou outras lesões. Somente um exame clínico (Dermatoscopia) feito por um médico especializado ou uma biópsia podem diagnosticar o câncer da pele, mas é importante estar sempre atento aos seguintes sintomas:
– Lesão na pele de aparência elevada e brilhante, translúcida, avermelhada, rósea ou multicolorida, com crosta central e que sangra facilmente;
– Pinta preta ou castanha que muda sua cor, textura, torna-se irregular nas bordas e cresce de tamanho;
– Mancha ou ferida que não cicatriza, que continua a crescer e coçar, crostas, erosões ou sangramento.

O que é a Dermatoscopia?
É um exame não-invasivo que pode avaliar as pintas e prevenir alguns tipos de câncer da pele, diferenciando as pintas que são benignas das lesões de risco. Esse exame é feito no próprio consultório médico.

Quais são os tipos de câncer de pele?
São 3 os tipos de câncer de pele: Carcinoma basocelular (CBC), Carcinoma espinocelular (CEC) e Melanoma. O primeiro é o mais frequente dos 3 tipos, tem baixa letalidade e também pode ser curado caso detectado precocemente. O segundo (CEC), é o 2º mais frequente, principalmente em homens. Podem ter aparência similar a de verrugas e apenas um médico especializado pode fazer o diagnóstico correto. Por fim, o Melanoma é o menos frequente entre os 3 tipos com 6.130 casos no Brasil em 2013, segundo o INCA. Ele tem alto índice de mortalidade, porém as chances de cura são de mais de 90%, quando há a detecção precoce. A hereditariedade desempenha um papel central no desenvolvimento do melanoma. Por isso, familiares de pacientes diagnosticados com a doença devem se submeter a exames preventivos regularmente.

Evite a exposição excessiva ao sol e proteja a pele dos efeitos da radiação UV. Permaneça na sombra entre 10 e 16h (horário de verão). Use chapéus, camisetas e protetores solares (todos os dias). Essas são as melhores estratégias para prevenir o melanoma e outros tipos de tumores cutâneos.

Previne-se! Cuide-se!